Caminho das Almas



Água cristalina, que jorra do Jordão
Avisa a Severina
Beleza de menina
Prendada, moça fina
Que acenda o lampião

O bando já chegou
Correram sete léguas
lisas, lesas, loucas, lisonjeadas
E as palmas espalmadas
São palcos de proezas

Vitória do pobre, do negro, sofridos
Polícia segue a sina, de achar que são bandidos
Pobre, cega, seca de esperanças
Senhora do sertão
Me havia uma lembrança
da moça firme e forte
guerreira, irmã da morte
Sustenta seu saiote
Ajeita sua trança

E hoje ainda se fala
de heróis que já se foram
Caatinga, coisa rara
Espera a chuva e quara
E os olhos enchem d'água
da moça do sertão; Pobre Coração
Avisa a Severina
Que acenda o Lampião.



Bartô Zé

0 Relícários:

Postar um comentário

Participe, Interaja, Despeje-se! ;)