Helena

Engraçado como encontrei esse poema. 
Eu estava indo na sala do 4º período, ano passado, e encontrei uns papéis sobre a cadeira que tinha escrito o seguinte poema:


Helena morava num quarto sozinha.
Vivia num mundo só dela.
Nada lhe completava.
Era incompleta e pronto.
Sem questionamentos mais.
Ô Helena, se questiona, Helena.
Se reinventa.
Quando Helena conheceu João. Ele ainda não bebia. Ele ainda não fumava. Ele ainda não traía.
Mas com Helena veio o amor, e veio também o medo. Tudo veio nos braços helenos.
João não aguentava aquela vida helena. Trabalhar. Trabalhar.
Trabalhar.
João a beber começou.
A fumar começou.
Helena agora era mulher traída.
Por que, João? Por que, Helena?
O amor joãoheleniano seria uma cena. De novela. De cinema.
Mas João traiu Helena.
E Helena jamais soube.
Mas João bebeu todas.
E Helena jamais soube.
João também fumava.
Helena jamais soube.
Helena sabia apenas da vida de novela. De João ao seu lado sem lhe dar atenção.
Ô Helena... 

Eu fiquei querendo saber quem era o autor e descobri Adonias da Mata.

"Escrito por Adonias da Mata em setembroutubro de 2011", palavras do autor.

Para visitar o blog de Adonias, clique aqui.